Perguntas Frequentes

Técnico
R.O paraquat age na presença de luz, desidratando as partes verdes de todas as plantas com as quais entra em contato. Após a aplicação, a penetração pela superfície da folha ocorre quase imediatamente. Essa absorção é aumentada pela alta intensidade luminosa, alta umidade e pelo sistema adjuvante específico que geralmente faz parte da formulação, que garante boa retenção da pulverização e umidificação da folhagem alvo. É necessário adicionar adjuvantes à mistura do tanque, caso não faça parte da formulação. O local de ação do paraquat é o cloroplasto. Os cloroplastos contêm os sistemas fotossintéticos das plantas verdes, que absorvem a energia luminosa usada para produzir açúcares. O paraquat é conhecido por agir no sistema da membrana fotossintética, chamado fotossistema I, que produz elétrons livres para impelir a fotossíntese. Os elétros livres do fotossistema I reagem com o íon do paraquat, resultando na forma de radical livre. O oxigênio rapidamente reconverte esse radical livre e, nesse processo, produz superóxidos. Quimicamente altamente reativos, os superóxidos atacam os ácidos graxos de membranas insaturadas, rapidamente abrindo e desintegrando as membranas e tecidos da célula. O processo íon de paraquat ion/radical livre então se recicla, produzindo maiores quantidades de superóxido até que o suprimento de elétrons livres cesse. A murchidão visível das plantas tratadas fica aparente em algumas horas em clima quente e claro, mas pode de korar mais se as condições forem frias e nubladas. Isso logo é seguido pelo aparecimento de tecido marrom desidratado ou clorótico. A luz, o oxigênio e a clorofila são indispensáveis para os efeitos herbicidas característicos do paraquat. É a ruptura das membranas celulares, permitindo o escape de água do material vegetal que leva à rápida desidratação da folhagem.
R. Paraquat é um herbicida não seletivo

Definição

Um produto químico usado para eliminar somente certos tipos de ervas daninhas (ervas daninhas anuais gramíneas ou de folhas largas).

Referências e Recursos Confiáveis Online

http://www.weeds.iastate.edu/ Uma inestimável fonte de informações contemporâneas sobre herbicidas e ervas daninhas da Iowa State University.
de amplo espectro. Ele pertence à família de herbicidas Bipiridilios. Sais puros de paraquat são brancos, e os produtos técnicos são amarelos. São pós cristalinos, inodoros e higroscópicos. O paraquat é levemente solúvel em álcool e praticamente insolúvel em solventes inorgânicos. O paraquat não é explosivo nem inflamável em formulações aquosas. Ele é corrosivo para metais e incompatível com agentes umidificantes de alquilarilsulfonato. Ele é estável em soluções ácidas ou neutras, mas rapidamente hidrolisado por bases alcalinas.
Fórmula estrutural O paraquat é um cátion forte e permanece onde é aplicado
Descrição: Sólido branco cristalino como a sacarose
Solubilidade Muito solúvel em água. Insolúvel em gordura como o cloreto de sódio
Pressão de vapor Insignificante, abaixo de 1 x 10-9 mm Hg como moedas de cobre
Toxicidade (45,6% técnica)
 

Definição

Ervas daninhas que retornam todo ano. Algumas delas apresentam a morte das partes aéreas durante o inverno, porém suas raízes continuam vivas e ressurgem na primavera. Algumas não apresentam morte das partes aéreas, crescendo em tamanho e estatura na próxima estação.

Referências e Recursos Confiáveis Online

A Sociedade Internacional de Ciência de Ervas Daninhas representas associações individuais em todo o mundo. Detalhes dessas associações regionais estão listados.
Inalação impossível. LD50 oral (material técnico no rato) = 283mg/kg
 

Definição

A ocorrência de excesso de líquido (como chuva) que origina se origina na parte alta do terreno e se acumula além da capacidade de absorção do solo. Quando isso ocorre, o excesso de líquido escorre pela superfície até chegar à água superficial mais próxima (reservatório d'água, lago, rio).
como a gasolina

Molecular Structure  Paraquat (1,1'-dimethyl-4,4'-bipyridylium dichloride)
 Estrutura molecular do paraquat (1,1'-dimetil-4,4'-dicloreto de bipiridilo)
R. Sim. Como em muitos outros herbicidas, alguma resistência ao paraquat foi identificada.
No entanto, o rápido desenvolvimento de lavouras resistentes ao glifosato (outro herbicida comum) tem estimulado a demanda por paraquat, conforme se observam mais evidências de ervas daninhas tolerantes ao glifosato ou resistentes ao glifosato. O paraquat tem desempenhado um papel de importância crescente em programas de Manejo Integrado de Ervas Daninhas

Definição

Um sistema de suporte para uma decisão de proteção à lavoura que se concentra na prevenção ou supressão de longo prazo de problemas com pragas com o mínimo de impacto sobre a saúde humana, o meio-ambiente e organismos que não são alvos. O MIP leva em consideração todas as técnicas e táticas disponíveis de controle de pragas (de cultivo, mecânicas, biológicas, químicas) o MIP enfatiza o crescimento de lavouras saudáveis para uma melhor produtividade com a mínima interferência possível nos agroecossistemas.

Referências e Recursos Confiáveis Online

http://www.ipmcenters.org/ O Site Nacional do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos para o Sistema de Informação dos Centros Regionais de CIP fornece informações sobre commodities dos EUA, pragas e práticas de manejo de pragas, pessoas e problemas.
(MIED) associados a lavouras resistentes ao glifosato e em outras situações nas quais o glifosato foi usado intensivamente por longos períodos.
Existem questionários que ajudam agricultores e conselheiros a entender a extensão da resistente ao herbicida e planejar estratégias para lidar com isso. Exemplos desses questionários podem ser encontrados aqui: http://www.weedscience.org/
http://www.resistancefighter.com/
R. Não. Há várias razões pelas quais a tolerância ao herbicida paraquat não foi comercializada. Uma razão crucial é que o modo de ação do paraquat é tão rápido que é tecnicamente difícil atingir resistência efetiva. Além disso, nos locais onde lavouras resistentes ao glifosato são introduzidas, sempre há o risco de que as plantas resistente ao herbicida surjam como ervas daninhas em culturas sucessivas, reduzindo a eficácia do controle de ervas daninhas. Portanto, o principal fabricante do paraquat, a Syngenta, decidiu não introduzir lavouras transgênicas de paraquat para certificar que o paraquat continue sendo uma ferramenta altamente eficaz (herbicida de extermínio pré-plantação) para o manejo de ervas daninhas resistente ao glifosato.
 

Definição

Ervas daninhas que retornam todo ano. Algumas delas apresentam a morte das partes aéreas durante o inverno, porém suas raízes continuam vivas e ressurgem na primavera. Algumas não apresentam morte das partes aéreas, crescendo em tamanho e estatura na próxima estação.

Referências e Recursos Confiáveis Online

A Sociedade Internacional de Ciência de Ervas Daninhas representas associações individuais em todo o mundo. Detalhes dessas associações regionais estão listados.
R. Surpreendentemente, em mais de 40 anos de pesquisa, não se encontrou nenhum outro herbicida que ofereça os mesmos benefícios exclusivos do paraquat. Portanto, não há alternativa eficaz ao paraquat. Consequentemente, a demanda por paraquat continua a ser impulsionada por agricultores que reconhecem os benefícios exclusivos de ação rápida, resistência à chuva e eficácia excelente do paraquat.
Benefícios e alternativas
R. O paraquat é uma ferramenta herbicida valiosa nos países desenvolvidos e em desenvolvimento, beneficiando os agricultores, a sociedade e o meio ambiente. Quando usado conforme as recomendações dos fabricantes, o paraquat proporciona o controle eficiente e seguro de ervas daninhas e cria maiores benefícios sociais e econômicos, enquanto protege a terra para as futuras gerações. Os principais benefícios do paraquat incluem:

Benefícios econômicos, ajudando os agricultores a aumentar a produção de suas terras

  • Velocidade rápida de ação, com controle completo de todo o tecido verde das plantas dentro de 1-7 dias
  • Aumento das safras graças à remoção oportuna ervas daninhas, que reduz a competição por luz, água e nutrientes
  • Capacidade de trabalho em todas as condições climáticas. O paraquat é resistente à chuva dentro de 15-60 minutos após a aplicação, e sua absoção não depende da temperatura ou umidade do solo, o que o torna particularmente bem adaptado à agricultura tropical
  • Reduz a necessidade de mão-de-obra, como remoção manual de ervas daninhas, e é altamente eficiente como ferramenta para emoção de ervas daninhas entre fileiras
  • Economiza tempo por meio de sua compatibilidade com outros herbicidas e fertilizantes, possibilitando a aplicação de diversos produtos em uma única aplicação
  • Parceiro ideal em programas de Manejo Integrado de Ervas Daninhas

    Definição

    Um sistema de suporte para uma decisão de proteção à lavoura que se concentra na prevenção ou supressão de longo prazo de problemas com pragas com o mínimo de impacto sobre a saúde humana, o meio-ambiente e organismos que não são alvos. O MIP leva em consideração todas as técnicas e táticas disponíveis de controle de pragas (de cultivo, mecânicas, biológicas, químicas) o MIP enfatiza o crescimento de lavouras saudáveis para uma melhor produtividade com a mínima interferência possível nos agroecossistemas.

    Referências e Recursos Confiáveis Online

    http://www.ipmcenters.org/ O Site Nacional do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos para o Sistema de Informação dos Centros Regionais de CIP fornece informações sobre commodities dos EUA, pragas e práticas de manejo de pragas, pessoas e problemas.
    (MIED) para controle de ervas daninhas resistentes

    Definição

    A capacidade herdada de uma planta/erva daninha de sobreviver a uma dose de herbicida normalmente letal para sua espécie.

    Referências e Recursos Confiáveis Online

    http://www.weedscience.org/in.asp O Questionário Internacional de Ervas Daninhas Resistentes a Herbicidas monitora a evolução de espécies resistentes e avalia seu impacto. Todos as ocorrências confirmadas de novos casos são listadas.

Segurança da lavoura

  • A ação do paraquat se restringe à parte da planta com a qual entra em contato, e ele não é translocado para outras partes da planta.

Ambiental

  • Um possível excesso de paraquat não escoa pela superfície nem lixivia

    Definição

    O processo natural pelo qual as substâncias solúveis em água são carregadas para baixo, através do solo, até as águas subterrâneas.
    através do solo e, portanto, não afeta a qualidade das águas subterrâneas
  • O paraquat contribui para a redução da erosão do solo pelo vento ou pela chuva, pois afeta somente as partes aéreas (acima do solo) das ervas daninhas, e não mata as raízes. Isso ajuda a compactar e estabilizar o solo
  • O paraquat é absorvido e desativado rapidamente ao entrar em contato com o solo
  • É o herbicida ideal para uso em lavoura de conservação e agricultura de plantio direto

    Definição

    Também conhecido como lavoura de conservação ou plantio direto, é uma maneira de cultivar lavouras ano a ano sem perturbar o solo através do preparo do solo, ou seja, cultivo do solo geralmente com implementos aplicados por trator.

    Referências e Recursos Confiáveis Online

    http://www.no-till.com/ Um portal de informações online sobre o plantio direto.

Benefícios ao consumidor

Devido a suas propriedades de desativação e a seu método e alvo de aplicação, o paraquat praticamente não deixa nenhum resíduo nos alimentos. Em 2004, o paraquat foi analisado durante uma reavaliação periódica de resíduos alimentares durante uma Reunião Comum da OAA/OMS sobre Resíduos de Pesticidas (RCRP), “A Reunião concluiu que influxo de resíduos do paraquat resultante dos usos considerados pela RCRP não tinha probabilidade de apresentar uma preocupação de saúde pública.” O relatório de 2004 da RCRP está disponível aqui.
A. Não há alternativas eficazes ao paraquat. O paraquat tem propriedades exclusivas. É o único herbicida de precisão de amplo espectro e ação rápida. Outros materiais de amplo espectro têm ação lenta, são muito ou moderadamente sistêmicos e ão sensíveis às condições climáticas pós-aplicação. Assim, não constituem alternativas eficazes ao paraquat nos mercados que requerem uso rápido e preciso, segurança da lavoura e conservação do solo através da retenção de raízes. O paraquat viabiliza o cultivo de certas lavouras de alimentos básicos em países em desenvolvimento, gerando benefícios maiores enquanto reduz a erosão do solo e a erosão eólica e protege a terra para gerações futuras.
Uso seguro
R. Como todos os pesticidas, as precauções normais de usuário devem ser tomadas ao usar e manusear o paraquat. Simplificando, são elas:
  1. Usar de cautela o tempo todo
  2. Ler e entender o rótulo do produto
  3. Garantir uma boa higiene pessoal
  4. Garantir o cuidado e manutenção do equipamento de aplicação
  5. Usar ??roupas e equipamento de proteção individual (EPI) quando necessário. Para o paraquat, isso é definido como uso de óculos e luvas protetoras ao manusear o produto concentrado e roupas normais de trabalho, como camisas de mangas compridas, calças compridas e calçados impermeáveis para pulverizar pesticidas em geral.
Maiores detalhes sobre as Cinco Regras de Ouro para o uso seguro de pesticidas estão disponíveis aqui
R. A chave para o uso seguro de todos os produtos de proteção à lavoura (PPLs), inclusive o paraquat, é educação e treinamento. O paraquat é fabricado e amplamente utilizado por mais de 50 anos. Os agricultores, auxiliados por grupos como serviços de extensão governamental, fabricantes, fornecedores, distribuidores e outros, progrediram muito no uso seguro e eficaz de PPLs. Assim, os agricultores se tornaram mais competentes na proteção a si mesmos, consumidores e o meio ambiente. Os rótulos são as primeiras fontes de informação para os agricultores sobre como aplicar os produtos de forma eficaz contra a praga alvo sem, no entando, causar riscos desnecessários para pessoas e o meio ambiente. Entretanto, nos países em desenvolvimento, os baixos índices de alfabetização significam que muitos agricultores não conseguem ler os rótulos. Para ajudá-los, foram desenvolvidos pictogramas para mostrar aos agricultores como preparar e usar os produtos de com segurança. Eles são usados nos países em desenvolvimento como suporte ao texto do rótulo. Para maiores informações, visite a seção Stewardship e Educação deste website.
 

Definição

Ervas daninhas que retornam todo ano. Algumas delas apresentam a morte das partes aéreas durante o inverno, porém suas raízes continuam vivas e ressurgem na primavera. Algumas não apresentam morte das partes aéreas, crescendo em tamanho e estatura na próxima estação.

Referências e Recursos Confiáveis Online

A Sociedade Internacional de Ciência de Ervas Daninhas representas associações individuais em todo o mundo. Detalhes dessas associações regionais estão listados.
Segurança ambiental
R. Não. Estudos extensivos de longo prazo confirmam —e governos e autoridades regulatórias de todo o mundo concordam— que os usos normais do paraquat de acordo com as instruções claras do rótulo não causam um impacto ambiental inaceitável. Os estudos mostraram que:
  • O paraquat é inativo solo
  • O paraquat não consegue se mover pelo solo
  • O paraquat não contamina as águas subterrâneas
  • O paraquat não é perigoso para peixes no uso normal
  • O paraquat não representa risco para animais domésticos ou da propriedade
  • O paraquat não representa risco significativo para a vida silvestre
Para maiores informações sobre a segurança do paraquat para o meio ambiente, clique aqui.
R. Não, o paraquat não consta da lista PIC PIC (Prévia Informação e Consentimento) é uma disposição da Convenção de Roterdão. Respeita a determinados pesticidas e produtos químicos industriais que foram banidos ou severamente restritos em pelo menos 2 países, para proteger a saúde humana ou o ambiente, bem como a formulações de pesticidas que foram propostos por um país com economia em desenvolvimento, ou transitou para a lista PIC devido a sérios efeitos observados após a sua exposição em condições de uso. O processo PIC fornece aos países informações acerca dos produtos químicos sob a forma de Documentos de Orientação de Decisão (DGDs) que são, contudo, limitados frequentemente ao conteúdo apresentado pelos países notificantes. É solicitado aos países, através das suas Autoridades Nacionais Designadas, a decisão sobre futuras importações destes produtos químicos e de formulações de pesticidas, na qual os DGDs podem ser um apoio ao processo decisório informado. Para mais informações ou para consultar os produtos químicos da actual lista PIC, visite a sítio Web do PIC.
Segurança pública
R. Sim. A exposição do consumidor de produtos das lavouras tratadas com paraquat é muito pequena, pois a grande maioria dos usos do paraquat não resulta em resíduos detectáveis nos alimentos. Após revisão das informações disponíveis, a EPA dos EUA concluiu: “thá uma certeza razoável de que a exposição agregada a resíduos de dicloreto de paraquat não causam prejuízos em bebês e crianças e nem à população em geral. Além disso, com base nos dados disponíveis, a Agência não crê que os efeitos produzidos pelo paraquat sejam cumulativos com os de outros compostos de estrutura semelhante”. (EPA dos EUA, 1997)
R.No final da década de 1960 o governo dos EUA, talvez numa tentativa de desencorajar o uso da maconha, fez uma advertência de que grande parte da safra havia sido pulverizada com paraquat e, portanto, não era segura para ser fumada.
Todavia, organismos independentes estudaram o paraquat para este uso. Jenny PronCzuk de Garbino1 afirmou: “nenhuma lesão pulmonar ou qualquer outra lesão em usuários de maconha jamais foi atribuída à contaminação por paraquat”. 

Definição

Ervas daninhas que retornam todo ano. Algumas delas apresentam a morte das partes aéreas durante o inverno, porém suas raízes continuam vivas e ressurgem na primavera. Algumas não apresentam morte das partes aéreas, crescendo em tamanho e estatura na próxima estação.

Referências e Recursos Confiáveis Online

A Sociedade Internacional de Ciência de Ervas Daninhas representas associações individuais em todo o mundo. Detalhes dessas associações regionais estão listados.

Sobre este tema, D.P. Morgan afirma, em uma publicação da Agência de Proteção Ambiental dos EUA, que: “Fumar maconha contaminada com paraquat não resulta em lesão pulmonar, pois o herbicida é pirolizado em dipiridil (que não apresenta risco tóxico) durante o ato de fumar” 2.
Os fabricantes do paraquat comercializam o herbicida para exterminar ervas daninhas verdes e não têm controle sobre em que ervas os consumidores decidem usá-lo. Para mais informações sobre os usos do paraquat na agricultura, visite a seção Uso deste site para ler vários estudos de caso.

Referências

  1. Jenny PronCzuk de Garbino  Epidemiology of Paraquat Poisoning International Programme on chemical safety WHO-Geneva-Book-Paraquat Poisoning (Epidemiologia do Envenenamento por Paraquat do Programa Internacional de Segurança Química – OMS-Genebra-Livro-Intoxicação por Paraquat).
  2. Dr J Routt Reigart, Dr James R Robert 1999 Paraquat and Diquat Recognition and Management of Pesticide Poisonings 5th edition US Environmental Protection Agency 1999 (Reconhecimento de Paraquat e Diquat e Manejo de Intoxicações por Pesticidas, 5ª edição – Agência de Proteção Ambiental dos EUA, 1999).
Para maiores informações consulte: http://www.epa.gov/pesticides/safety/healthcare/handbook/Chap12.pdf Obs: O Centro de Informações sobre Paraquat relata os fatos e não apóia o uso de drogas ilegais.
 
Segurança humana
R. Levando em conta todos os fatores relevantes, não há evidências de que o número de novos casos da doença de Parkinson (DP) esteja aumentando. Na verdade, os dados disponíveis indicam que a incidência da DP permaneceu inalterada pelos últimos 70 anos (período durante o qual os pesticidas sintéticos modernos começaram a ser usados na agricultura dos EUA e europeia). Uma vez que a incidência da doença aumenta com a idade, pode-se esperar que, com o envelhecimento da população na sociedade ocidental, mais indivíduos com esta doença estarão presentes na população em geral. Além disso, a medicina moderna prolongou muito a expectativa de vida, de modo que indivíduos com DP têm a mesma expectativa de vida das pessoas não afetadas da mesma idade. O diagnóstico da doença também está se tornando mais sofisticado com o uso de novas tecnologias.
R. O potencial neurotóxico do paraquat foi estudado extensivamente em animais de laboratório. Nenhum sinal clínico de neurotoxicidade ou alterações neuropatológicas consistentes foi relatado após exposições de longo prazo à administração dietética de paraquat para roedores e cães, em estudos que cumpriram exigências reguladoras. O paraquat não resultou em efeitos neurotóxicos nos estudos modernos do paraquat conduzidos em 2006 nos quais se cumpriram as diretrizes da EPA dos EUA quanto neurotoxicidade oral aguda e subcrônica (90 dias). Em 2006, a EPA dos EUA declarou que “o paraquat não inibe a atividade da colinesterase, não produz sinais de toxicidade similares ais colinérgicos e nem afeta a morfologia dos sistemas nervoso central ou periférico. Além disso, a estrutura molecular não é semelhante à das classes de compostos conhecidos por apresentarem efeitos sobre o sistema nervoso. Os sinais clínicos de toxicidade não indicaram neurotoxicidade. Como a preocupação quanto à neurotoxicidade resultante da exposição ao paraquat é limitada, estudos de neurotoxicidade, inclusive um estudo de neurotoxicidade de desenvolvimento, não são necessários neste momento”.
R. A visão de que o paraquat não causa a doença de Parkinson é motivada pela ausência de evidências de que o paraquat esteja causalmente relacionado com essa doença em seres humanos. Esta ausência de evidência vem depois de mais de 40 anos de uso do produto em todo o mundo. Uma análise feita por cientistas médicos e epidemiológicos seniores independentes, sob a orientação do professor Sir Colin Berry (Professor Emérito da Queen Mary, Universidade de Londres, e ex-membro do Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido) e do professor Pierluigi Nicotera (Diretor Fundador do Centro Alemão de Doenças Neurodegenerativas, de Bonn) não encontrou nenhuma relação de causalidade entre a exposição ao paraquat e doença de Parkinson (Berry, C., La Vecchia, C. & Nicotera, P., (2010). Paraquat and Parkinson’s Disease (Paraquat e a Doença de Parkinson). Cell Death and Differentiation, 17, 1115–1125). Você encontra mais informações aqui.
R. Sob condições normais de uso (ou seja, conforme recomendado no rótulo) o paraquat é seguro para usuários e transeuntes. É aconselhável usar óculos e luvas protetoras ao manusear o produto concentrado e roupas normais de trabalho, como camisas de mangas compridas, calças compridas e calçados impermeáveis para pulverizar pesticidas em geral. Seguir essa recomendação já proporciona um nível alto e suficiente de segurança para o uso agrícola do paraquat. Em 2004 o paraquat foi revisado novamente pelas principais organizações internacionais, inclusive a FAO (?Organização para Alimentos e Agricultura) e a Rssmbléia Conjunta da ONU sobre Resíduos de Pesticidas (RCRP), composta de especialista da OMS (Organização Mundial de Saúde) e da FAO. Esses especialistas defendem que, quando usado conforme as instruções, não há risco de segurança associado ao uso do paraquat. Suas propriedades físicas tornam seu manuseio seguro, quando usado de acordo com as instruções do rótulo. O Comitê Científico sobre Plantas (CCP) da Europa afirmou: “Com base nos estudos de exposição em campo, corroborados por informações de questionários de saúde de operadores, a opinião do CCP é que, quando o paraquat é usado como produto de proteção à planta como recomendado e conforme prescrito nas boas práticas de trabalho, seu uso não representa nenhum risco significativo à saúde dos operadores ”.(CCP, 2002) A conclusão resultante de mais de quatro décadas de uso e várias revisões por corpos de regulamentação internacionais é que o paraquat é seguro para usuários, o meio ambiente, consumidores e vida silvestre quando usado para seu propósito, como herbicida. Sua segurança foi confirmada por seu registro em cerca de 90 países de todo o mundo, inclusive naqueles com os mais rigorosos requisitos regulatórios, como os EUA.
R. O perigo potencial de longo prazo associado ao uso do paraquat também foi estudado. A ?Organização Mundial de Saúde concluiu (Critérios de Saúde Ambieltal, 1984) que não houve diferenças significativas em todos os parâmetros medidos entre usuários de paraquat e não usuários de paraquat, o que levou os autores ta sugerir que o uso de longo prazo do paraquat não estava associado a efeitos prejudiciais à saúde. Isso foi confirmado em questionários detalhados comparando a saúde de usuários de longo prazo do paraquat com a de pessoas não expostas.
R. Não. A documentação de registro atual na EPA para o paraquat (‘RED’ da EPA, agosto de 1997) indica claramente que a EPA não considera neurotoxicidade como um problema desse composto. A EPA também afirmou que não havia necessidade de um estudo de neurotoxicidade de desenvolvimento. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (Environmental Health Criteria - Critérios de Saúde Ambiental 39, 1984), o paraquat não é teratogênico (que causea deficiências de nascença) ou carcinogênico (que causa câncer) em estudos de longo prazo em ratos e camundongos. 

Definição

Ervas daninhas que retornam todo ano. Algumas delas apresentam a morte das partes aéreas durante o inverno, porém suas raízes continuam vivas e ressurgem na primavera. Algumas não apresentam morte das partes aéreas, crescendo em tamanho e estatura na próxima estação.

Referências e Recursos Confiáveis Online

A Sociedade Internacional de Ciência de Ervas Daninhas representas associações individuais em todo o mundo. Detalhes dessas associações regionais estão listados.

 

Definição

A ocorrência de excesso de líquido (como chuva) que origina se origina na parte alta do terreno e se acumula além da capacidade de absorção do solo. Quando isso ocorre, o excesso de líquido escorre pela superfície até chegar à água superficial mais próxima (reservatório d'água, lago, rio).
R. Um disruptor endócrino é uma substância química sintética que, quando absorvida pelo corpo imita ou bloqueia hormônios e perturba as funções normais do corpo. Como todos os produtos de Proteção à Lavoura o paraquat foi submetido a uma avaliação toxicológica completa, que incluiu os estudos necessários em mamíferos. Esses estudos permitem o exame de efeitos toxicológicos após a exposição recorrente de várias espécies ao paraquat. Estudos desse tipo avaliam a capacidade de materiais causarem efeitos adversos significativos através de disrupção endócrina, e não se encontrou nenhuma evidência ligando disrupção endócrina ao paraquat.
R. Não. O paraquat não é volátil e vapor do produto não consegue entrar no sistema respiratório. Além disso, as gotas do spray produzido pelas mochilas ou tratores pulverizadores usados para aplicar produtos que contêm paraquat, ou qualquer outro PPL, são grandes demais para serem inspiradas. A maioria das gotas emitidas por equipamentos de pulverização têm entre 100 e 200 microns de diâmetro, mas uma partícula deve ter 10 microns ou menos para penetrar nos espaços aéreos dos pulmões. As grandes gotas pulverizadas não podem ser inaladas para o sistema respiratório. A EPA dos EUA concluiu que “partículas usadas em práticas agrícolas estão muito além da faixa respirável e, portanto, a toxicidade por inalação um ponto de preocupação toxicológica” (EPA dos EUA, 1997).
 

Definição

Ervas daninhas que retornam todo ano. Algumas delas apresentam a morte das partes aéreas durante o inverno, porém suas raízes continuam vivas e ressurgem na primavera. Algumas não apresentam morte das partes aéreas, crescendo em tamanho e estatura na próxima estação.

Referências e Recursos Confiáveis Online

A Sociedade Internacional de Ciência de Ervas Daninhas representas associações individuais em todo o mundo. Detalhes dessas associações regionais estão listados.
R. Como muitos produtos químicos de fácil obtenção, o paraquat é nocivo e já ocorreram fatalidades quando o produto concentrado foi ingerido em quantidade suficiente, geralmente numa tentativa de suicídio. O rótulo dos produtos que contêm paraquat declara que o produto deve ser mantido sempre em seu recipiente original e nunca deve ser armazenado em recipientes de alimentos, bebidas ou outros. Os produtos que contêm paraquat também devem ser mantidos em lugar seguro quando não estão em uso. De acordo com a especificação da FAO a documentação técnica do paraquat, bem como as formulações SL e SG deve conter um emético eficaz em níveis mínimos. Estes materiais podem também incluir corantes e agentes de alerta olfativo. Os produtos de paraquat da Syngenta cumprem a especificação da FAO, cujas atualizações mais recentes se deram em 2003 e 2008. A Syngenta adicionou os três agentes “de segurança” em todas as suas formulações SL (líquida solúvel – concentradas) de paraquat para evitar a ingestão acidental e para prevenir o uso: um corante azul para evitar confusão com bebidas, um agente de alerta olfativo (um odor forte e desagradável), e um emético para induzir o vômito em caso de ingestão. Acredita-se que estas medidas contribuíram para a redução dos acidentes. O sistema de classificação de pesticidas do Programa Internacional para Segurança Química da OMS classifica mais de 500 produtos químicos.
Classe Número de IAs
“Extremamente perigoso, classe Ia”  

Definição

Ervas daninhas que retornam todo ano. Algumas delas apresentam a morte das partes aéreas durante o inverno, porém suas raízes continuam vivas e ressurgem na primavera. Algumas não apresentam morte das partes aéreas, crescendo em tamanho e estatura na próxima estação.

Referências e Recursos Confiáveis Online

A Sociedade Internacional de Ciência de Ervas Daninhas representas associações individuais em todo o mundo. Detalhes dessas associações regionais estão listados.
29
“Altamente perigoso, classe Ib”  

Definição

A ocorrência de excesso de líquido (como chuva) que origina se origina na parte alta do terreno e se acumula além da capacidade de absorção do solo. Quando isso ocorre, o excesso de líquido escorre pela superfície até chegar à água superficial mais próxima (reservatório d'água, lago, rio).
61
“Moderadamente perigoso, classe II” 123
“Levemente perigoso, classe III” 122
“Improvável que apresente perigo agudo” 246
O paraquat é classificado como “moderadamente perigoso” (OMS classe II) juntamente com mais de 100 outros IAs. ?Informações sobre o sistema de classificação completo estão disponíveis aqui.
Ingestão acidental
R. Sim. Quando o paraquat foi introduzido, na década de 1960, uma negligência profissional comum era despejar pesticidas em recipientes menores, como garrafas de bebida, sem nenhuma rotulagem adequada. As formulações originais do paraquat eram líquidos vermelho-acastanhados inodoros, o que tornando fácil sua confusão com bebidas como cola, chá ou vinho tinto. Lamentavelmente, houve uma série de casos fatais de intoxicação devido à ingestão por engano.
R. No decorrer dos anos, desenvolveu-se um entendimento abrangente sobre o paraquat. Como muitas substâncias químicas naturais e sintéticas, o paraquat tem um efeito prejudicial no corpo humano quando ingerido em quantidade suficiente. O paraquat se concentra nas células renais e pulmonares, e altas concentrações podem sobrepujar os mecanismos de defesa celular e causar lesão pulmonar e renal. (Para maiores informações, consulte Lock e Wilks, 2001.) Para um entendimento mais completo sobre como o mecanismo do paraquat afeta o corpo humano e opções de tratamentos disponíveis, consulte o seguinte website, que contém material produzido conjuntamente pelos membros do Departamento de Avaliação de Saúde e Segurança Ambiental da Syngenta e da Unidade de Toxicologia Médica, e do Guy's & St Thomas' Hospital NHS Trust, Londres, Reino Unido: http://www.syngenta.com/global/corporate/en/pqmedguide/Pages/index.aspx
R. O tratamento para alguém que ingeriu produto concentrado contendo paraquat começa com a ingestão, pelo paciente, de uma suspensão aquosa de adsorventes como argila de bentonita, greda de pisoeiro ou carvão ativado. Esse procedimento aproveita a propriedade do produto, de se tornar inativo ao ligar-se à argila. Purgantes podem ser usados para ajudar a remover o paraquat do sistema. Folhetos de tratamento com informações adicionais também são disponibilizados para autoridades médicas e centros de intoxicação de todo o mundo. Para um entendimento mais completo sobre como o mecanismo do paraquat afeta o corpo humano e opções de tratamento, consulte o seguinte website, que contém material produzido conjuntamente pelos membros do Departamento de Avaliação de Saúde e Segurança Ambiental da Syngenta e da Unidade de Toxicologia Médica, e do Guy's & St Thomas' Hospital NHS Trust, Londres, Reino Unido: www.syngenta.com/pqmedguide/index.html
 

Definição

Ervas daninhas que retornam todo ano. Algumas delas apresentam a morte das partes aéreas durante o inverno, porém suas raízes continuam vivas e ressurgem na primavera. Algumas não apresentam morte das partes aéreas, crescendo em tamanho e estatura na próxima estação.

Referências e Recursos Confiáveis Online

A Sociedade Internacional de Ciência de Ervas Daninhas representas associações individuais em todo o mundo. Detalhes dessas associações regionais estão listados.
R. Nas décadas de 1960 e 1970, houve fatalidades devido à ingestão acidental de formulações com paraquat. Isso se deveu principalmente à ingestão por engano após o despejo do produto em recipientes que não eram de pesticidas, como garrafas de bebidas. Passos foram introduzidas no final de 1970 e início de 1980 para garantir que as pessoas que manuseiam o paraquat estejam conscientes de que o mesmo contém produtos químicos e deve ser usado exclusivamente para o controle de ervas daninhas. A Syngenta, o principal fabricante de paraquat, adicionou três componentes "de segurança" em todas suas formulações de SL paraquat para evitar a ingestão acidental e impedir o uso inadequado: · um corante azul (para evitar a confusão com bebidas), · um agente de alerta (um odor forte e desagradável), · e um emético (para induzir o vômito). Esses componentes já foram incorporados à especificação da FAO para paraquat, cujas atualizações mais recentes ocorreram em 2003 e 2008. Consequentemente, tanto o material técnico do paraquat quanto as formulações SL e SG devem conter níveis mínimos de um emético eficaz. Esses materiais também podem incluir corantes e componentes de alerta olfativo. Os produtos de paraquat da Syngenta cumprem a especificação da FAO. A especificação revisada do paraquat está disponível aqui Comentaristas observaram um efeito benéfico dessas atividades de stewardship em países como a Malásia e a Costa Rica, uma vez que reduziram muito a ingestão acidental (Sabapathy, 1995; Wesseling et al, 1997). Além disso, os rótulos das embalagens de paraquat dos principais fabricantes fornecem instruções claras de segurança no idioma local e, em caso de baixo índice de alfabetização, usando pictogramas.
R. Não. Os agentes de segurança adicionados pela Syngenta não são obrigatórios em todos os países e algumas, porém certamente não todas, empresas que fabricam paraquat os utilizam.
R. Sim. Não há dúvida de que nos últimos 40 anos, desde que o uso de PPL se generalizou, muito se aprendeu sobre seu uso seguro. Os programas de Educação e treinamento concentrados no uso seguro e eficiente, além da publicidade sobre os perigos do uso exagerado e inadequado serviram para aumentar a consciência dos usuários quanto à necessidade de se tomar cuidado ao manusear PPLs. Evidências recentes sugerem que, apesar de ainda ocorrerem acidentes e incidentes ocupacionais, a maioria dos produtores usa produtos de proteção à lavoura sem prejuízo à saúde, e um grande progresso foi alcançado no tocante à adoção de práticas seguras.
 

Definição

Ervas daninhas que retornam todo ano. Algumas delas apresentam a morte das partes aéreas durante o inverno, porém suas raízes continuam vivas e ressurgem na primavera. Algumas não apresentam morte das partes aéreas, crescendo em tamanho e estatura na próxima estação.

Referências e Recursos Confiáveis Online

A Sociedade Internacional de Ciência de Ervas Daninhas representas associações individuais em todo o mundo. Detalhes dessas associações regionais estão listados.
R. Como com todos os PPLs, os fabricantes do paraquat estão sujeitos ao código de conduta da Organização para Alimentos e Agricultura (FAO na sigla em inglês). Esse código determina as responsabilidades, na distribuição e uso, dos vários envolvidos na indústria. Pode-se ver o código de conduta no website da FAO em: http://www.fao.org/docrep/005/y4544e/y4544e00.htm
Suicídio
R. Infelizmente, houve relatos de casos de exposição deliberada ao paraquat por pessoas com intenção de cometer suicídio. Mesmo que os produtos de proteção à lavoura sejam um dos métodos utilizados, eles não são o mais comum, e o paraquat não é o produto usado frequentemente (OMS, 2001, FDA 2003 , Ministério da Agricultura da Índia, 2000). Geralmente, os suicídios relacionados ao paraquat são destacados na mídia porque este é um produto bem conhecido e muito popular. Estudos foram realizados para avaliar o progresso na redução dos suicídios. Os resultados desses estudos indicam que está havendo progresso. Por exemple, na Malásia, “Após um pico a década de 1980, as fatalidades de suicídio envolvendo o paraquat diminuíram” (Sabapathy, 1995). ?Informações adicionais sobre suicídio podem ser encontradas aqui: Organização Mundial de Saúde (OMS) “Perfil da Tailândia em Envenenamentos por Pesticidas” - Food and Drug Administration (Administração de Alimentos e Drogas - FDA) (2003) “A Report on Harmonized Pesticide Poisoning Database in India” (Um Relato sobre o Banco de Dados de Envenenamento por Pesticidas Harmonizados da Índia) - Ministério da Agricultura, Índia (1999-2000)
 

Definição

Ervas daninhas que retornam todo ano. Algumas delas apresentam a morte das partes aéreas durante o inverno, porém suas raízes continuam vivas e ressurgem na primavera. Algumas não apresentam morte das partes aéreas, crescendo em tamanho e estatura na próxima estação.

Referências e Recursos Confiáveis Online

A Sociedade Internacional de Ciência de Ervas Daninhas representas associações individuais em todo o mundo. Detalhes dessas associações regionais estão listados.
R. É importante observar que o paraquat é apenas um dos muitos produtos químicos usados em tentativas de suicídio. Nos países com os maiores problemas de suicídio rural - China e Índia - a classe principal de Produtos de Proteção à Lavoura (PPLs) é a dos inseticidas. Devido à sua ampla utilização em pequenas propriedades de fazendas, os produtos químicos de proteção à lavoura são de fácil acesso para esses atos trágicos e frequentemente impulsivos. Geralmente, o suicídio relacionado ao paraquat é destacados pela mídia porque este é um produto bem conhecido e muito popular. Soluções para o problema dos suicídios relacionados a PPL estão em implementação. Projetos que promovem o armazenamento seguro de PPLs em locais trancados a chave têm mostrado resultados extremamente animadores. Onde a legislação que determina que os PPLs sejam mantidos em locais trancados é vigente e fiscalizada, principalmente em países desenvolvidos, o uso desses produtos em atos de auto-agressão felizmente é muito raro.
Informações de contato
R. Recomendamos uma revisão completa do site do Centro de Informações sobre Paraquat e de seus links para maiores informações sobre o paraquat. Use o mecanismo de busca para encontrar informações específicas e respostas a suas perguntas. Entretanto, caso tenha mais perguntas sobre o paraquat que não estejam respondidas aqui, você pode entrar em contato conosco através do formulário de contato do Centro de Informações sobre Paraquat.