Sustainable agriculture

Herbicidas não seletivos como paraquat são essenciais para a conservação eficiente de água para uso por lavouras em regiões secas. A baixa precipitação durante a estação de cultivo significa que, nessas regiões, as culturas dependem principalmente da umidade armazenada no solo.
Eco pousio é um sistema de manejo do solo desenvolvido nos estados secos do meio-oeste e oeste dos EUA e Canadá para conservar a umidade durante toda a rotação de culturas.
O sistema de eco pousio (também conhecido como “pousio químico”) é baseado em plantio direto e herbicidas para garantir que ervas daninhas não esgotem as reservas de umidade do solo que está sendo acumulado durante o período de pousio (não cultivado) entressafra.1,2
Lavouras têm sede
A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) publicou recentemente um relatório sublinhando que, para atender as necessidades mundiais de segurança alimentar será essencial adotar as melhores práticas de gestão do solo e da água.
Até 2050 espera-se que o crescimento da população e do consumo demande uma produção de alimentos até 70% maior globalmente, e 100% maior nos países em desenvolvimento, em comparação com os níveis atuais de produção.1
Safras maiores … a um preço
No relatório, “O estado das terras e recursos hídricos do mundo para alimentação e agricultura”, a FAO assinala que nos últimos 50 anos a produtividade agrícola cresceu em 150-200%, apesar de a área total de terra cultivada ter aumentado em apenas 12%. As safras aumentaram, mas a área cultivada disponível per capita da população em expansão tem se reduzido constantemente (Fig. 1).2
A produção de chá continua a crescer rapidamente, especialmente na China e no Vietnã, e paraquat está ajudando a alcançar a sustentabilidade dos sistemas de cultivo. O chá é frequentemente cultivado em encostas onde o solo é muito propenso à erosão. O paraquat remove apenas o crescimento superficial de ervas daninhas bem estabelecidas, mantendo as raízes intactas, e não afeta a germinação de novas mudas, permitindo que a vegetação se restabeleça em 1-2 meses. Isso ajuda a estabilizar o solo e resistir à erosão.
O uso de paraquat para controle de plantas daninhas em plantações de dendê pode abranger uma série de critérios de sustentabilidade definidos pela Mesa Redonda sobre Dendê Sustentável (RSPO na sigla em inglês – Roundtable on Sustainable Palm Oil). Estes incluem proteção do solo e da qualidade da água, além de redução da erosão. Como parte de uma abordagem mais ampla, pequenos agricultores em processo de certificação RSPO aprendem como obter culturas mais rentáveis ao mesmo tempo em que usam todos os insumos com maior eficácia e segurança.
Em todo o mundo, 33% do dendê são produzidos em lavouras cultivadas por pequenos produtores.
O chá é uma cultura próspera no Vietnã, e os agricultores contam com o paraquat para um sistema de controle de plantas daninhas que reduz a erosão do solo. Grande parte das lavouras de chá são cultivadas em terras inclinadas, sujeitas à perda de quantidades muito significativas de solo a cada ano.
Resultados de pesquisas realizadas pelo Instituto de Ciências Agrárias e Silvicultura do Norte Montanhoso mostram que usar paraquat no controle de ervas daninhas em vez da capina manual pode salvar quantidades enormes de solo. O paraquat é mais eficaz do que o glifosato, pois deixa intactas as raízes para ancorar o solo.
Chá no Vietnã
O dendê é a maior cultura mundial de óleo de vegetal. Como alimento, acredita-se que o azeite de dendê traga diversos benefícios importantes, especialmente na diminuição do risco de doenças cardíacas. A cultura, de altíssimo rendimento, tornou-se a principal matéria-prima para a produção de biodiesel. A Mesa Redonda sobre Dendê Sustentável foi criada para garantir que, com o aumento da produção, questões ambientais como biodiversidade e erosão do solo sejam endereçadas. As abordagens do controle integrado de pragas (CIP) são amplamente utilizadas e garantem que as lavouras sejam protegidas de maneira sustentável.
A Organização para Alimentos e Agricultura da ONU (FAO) começou a implementar sua estratégia de Intensificação da Produção Agrícola Sustentável (SCPI na sigla em inglês). A FAO estima que, para alimentar cada pessoa no planeta, haverá apenas 0,16 ha de terras agrícolas disponíveis em 2050, em comparação com 0,26 ha em 1999 e 0,4 ha em 1960; daí a necessidade de intensificar a produção. O objetivo da SCPI é apoiar o aumento da produção de alimentos pelos países e os seus agricultores, e o foco será no desenvolvimento de tecnologias e políticas que garantam a sustentabilidade1,2.
Agricultura de Conservação
Na prática, este objetivo será atingido incentivando-se o desenvolvimento global da abordagem conhecida como Agricultura de Conservação. Ela vem ganhando espaço rapidamente como o melhor meio de garantir uma alimentação estável e sustentável para a população mundial, estimada em 9 bilhões para 2050.
Paraquat e agricultura sustentável, por Richard H. Bromilow
Em seu artigo, “Paraquat e agricultura sustentável”, o autor Richard H. Bromilow estuda o papel desempenhado pelo paraquat no suporte à agricultura sustentável em todo o mundo.
Resumo: A agricultura sustentável é essencial para a sobrevivência do homem, principalmente considerando o rápido crescimento da população. A expansão da agricultura para as áreas de vegetação natural remanescentes é indesejável, pois reduziria a biodiversidade do planeta. Assim, a manutenção ou até o aumento da produção das lavouras nas terras cultivadas existentes, seja por pequenos agricultores ou em grandes propriedades, é necessária.
O paraquat é usado para controlar uma gama enorme de ervas daninhas em todo o mundo, porém, para controlar ervas daninhas de maneira eficiente e sustentável, é importante entendê-las.
Por que uma planta se torna erva daninha? Como os diferentes tipos de ervas daninhas podem ser descritos? Que características e modos de crescimento de ervas daninhas podem ser alvos dos herbicidas para o controle bem sucedido? Por que o paraquat é uma ferramenta tão útil para agricultores?
O que são ervas daninhas?
Ervas daninhas geralmente são descritas como plantas indesejáveis. As ervas daninhas crescem em terras cultiváveis aguardando o plantio, e depois uma nova onda de germinação de ervas daninhas emerge com a lavoura. Em lavouras perenes, como pés frutas, videiras, seringueiras e dendezeiros, as ervas daninhas crescem continuamente; esse crescimento acompanha o clima e as mudanças de estação.
As ervas daninhas são indesejadas por muitas razões: Elas competem com as plantas da lavoura por luz, água e nutrientes, reduzindo as safras e a qualidade.
Podem servir como habitat para pragas e doenças, de onde estas podem atacar a lavoura.
O manejo integrado de ervas daninhas e o plantio direto são ferramentas agronômicas com metas comuns de aumento da eficiência e lucratividade, ao mesmo tempo em que reduzem o impacto ambiental da produção agrícola. Apesar de seu conceito avançado, essas ferramentas são simples e diretas e podem ser adaptadas para uso em todos os sistemas agrícolas, desde sistemas altamente mecanizados até a agricultura de subsistência, no mundo todo.
O preparo do solo é um meio comprovadamente eficiente de controle de ervas daninhas, há outros métodos suficientemente bons para uso em uma abordagem de manejo integrado de ervas daninhas em sistemas de plantio direto? Este artigo examina como os agricultores podem se beneficiar com o uso de ambas técnicas combinadas.